browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Infertilidade é multifatorial, conheça as possíveis causas

Muitas pessoas se surpreendem, mas as estatísticas indicam que até 15% os casais não conseguem engravidar, após um ano de tentativas. Quando isso acontece, podemos considerar infertilidade. O que pode explicar isso? 

Segundo estudos, a qualidade média do sêmen dos homens vem decaindo nas últimas décadas, mas há outras circunstâncias também envolvidas, como disfunções de ovulação, endometriose, baixa qualidade dos óvulos e adiamento da maternidade. Além disso, os hábitos de vida podem impactar, como o tabagismo, álcool e a má alimentação aliada ao sedentarismo. Tudo isso influencia na concepção de um filho. No caso dos homens, há pesquisas que evidenciam piora na morfologia e concentração dos espermatozoides, impactando a fecundação e desenvolvimento do embrião. 


Em relação às mulheres, acontece uma queda no estoque de óvulos: na verdade, ela nasce com todos, que vão sendo consumidos ao longo da vida reprodutiva e, com a idade mais avançada, há piora na qualidade. A poluição do ar também interfere nesse processo: homens e mulheres que trabalham ao ar livre, em cidades grandes, têm maior dificuldade em engravidar devido ao excesso de exposição a agentes poluentes. Vários produtos químicos podem alterar a expressão de genes, inibindo-os ou os ativando em excesso, como o gene SHBG, que possui alelos que estimulam a expressão e maior produção de SHBG, podendo diminuir os níveis de testosterona. 

O tabagismo, acompanhado de dieta inadequada, impactam ainda mais a capacidade reprodutiva dos casais. O cigarro contém toxinas como nicotina e zinco, além de substâncias radioativas, que afetam significativamente a fertilidade, desde a produção dos espermatozoides até a movimentação tubária. Dados da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) apontam que homens e mulheres fumantes apresentam três vezes mais chances de sofrerem com infertilidade, quando comparados a não fumantes. 

Em relação à dieta, um estudo da Boston University School of Medicine, realizado com mulheres norte-americanas e canadenses entre 21 e 45 anos, indicou que aquelas que consumiam ao menos um copo de refrigerante por dia tinham 25% menos chances de engravidar. A alimentação com consumo em excesso de açúcar também foi apontada como ruim, pois atrapalha a atuação de hormônios necessários para a reprodução, além de inibir genes que regulam os níveis de estrogênio e testosterona. 

No caso da obesidade, estima-se que reduza até 60% da capacidade reprodutiva em mulheres, afetando em 50% a capacidade reprodutiva masculina. O excesso de gordura corporal interfere na produção adequada de hormônios: no homem, há um aquecimento maior da região genital, prejudicando a quantidade de espermatozoides. Dormir mal também pode ser o problema para os casais inférteis: o sono é fundamental no relaxamento da hipófise, glândula responsável pela produção de uma série de hormônios, inclusive aqueles que estimulam ovários e testículos. 

Como você deve ter notado, quando o repouso é prejudicado, essa glândula não funciona corretamente, o que interfere na fertilidade. Existem vários fatores que podem estar afetando a saúde reprodutiva do casal, por isso indicamos uma avaliação especializada para o tratamento correto. Agende sua consulta!

Infertilidade é multifatorial, conheça as possíveis causas

Muitas pessoas se surpreendem, mas as estatísticas indicam que até 15% os casais não conseguem engravidar, após um ano de tentativas. Quando isso acontece, podemos considerar infertilidade. O que pode explicar isso? 

Segundo estudos, a qualidade média do sêmen dos homens vem decaindo nas últimas décadas, mas há outras circunstâncias também envolvidas, como disfunções de ovulação, endometriose, baixa qualidade dos óvulos e adiamento da maternidade. Além disso, os hábitos de vida podem impactar, como o tabagismo, álcool e a má alimentação aliada ao sedentarismo. Tudo isso influencia na concepção de um filho. No caso dos homens, há pesquisas que evidenciam piora na morfologia e concentração dos espermatozoides, impactando a fecundação e desenvolvimento do embrião. 


Em relação às mulheres, acontece uma queda no estoque de óvulos: na verdade, ela nasce com todos, que vão sendo consumidos ao longo da vida reprodutiva e, com a idade mais avançada, há piora na qualidade. A poluição do ar também interfere nesse processo: homens e mulheres que trabalham ao ar livre, em cidades grandes, têm maior dificuldade em engravidar devido ao excesso de exposição a agentes poluentes. Vários produtos químicos podem alterar a expressão de genes, inibindo-os ou os ativando em excesso, como o gene SHBG, que possui alelos que estimulam a expressão e maior produção de SHBG, podendo diminuir os níveis de testosterona. 

O tabagismo, acompanhado de dieta inadequada, impactam ainda mais a capacidade reprodutiva dos casais. O cigarro contém toxinas como nicotina e zinco, além de substâncias radioativas, que afetam significativamente a fertilidade, desde a produção dos espermatozoides até a movimentação tubária. Dados da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) apontam que homens e mulheres fumantes apresentam três vezes mais chances de sofrerem com infertilidade, quando comparados a não fumantes. 

Em relação à dieta, um estudo da Boston University School of Medicine, realizado com mulheres norte-americanas e canadenses entre 21 e 45 anos, indicou que aquelas que consumiam ao menos um copo de refrigerante por dia tinham 25% menos chances de engravidar. A alimentação com consumo em excesso de açúcar também foi apontada como ruim, pois atrapalha a atuação de hormônios necessários para a reprodução, além de inibir genes que regulam os níveis de estrogênio e testosterona. 

No caso da obesidade, estima-se que reduza até 60% da capacidade reprodutiva em mulheres, afetando em 50% a capacidade reprodutiva masculina. O excesso de gordura corporal interfere na produção adequada de hormônios: no homem, há um aquecimento maior da região genital, prejudicando a quantidade de espermatozoides. Dormir mal também pode ser o problema para os casais inférteis: o sono é fundamental no relaxamento da hipófise, glândula responsável pela produção de uma série de hormônios, inclusive aqueles que estimulam ovários e testículos. 

Como você deve ter notado, quando o repouso é prejudicado, essa glândula não funciona corretamente, o que interfere na fertilidade. Existem vários fatores que podem estar afetando a saúde reprodutiva do casal, por isso indicamos uma avaliação especializada para o tratamento correto. Agende sua consulta!

Agendamentos abertos, ligar 996881183 (celular e WhatsApp)
Avenida Independência 1183 sala 808
Estacionamento próprio no prédio (SafePark)
© 2014 Carolina Andreoli - Todos os Direitos Reservados. CREATIVE & DESIGN BY : RTWEB&DESIGN / POADESIGN - Internet Soluctions.